O que é um plano de contas?

Na contabilidade, o plano de contas é uma relação de códigos e classificações usada para o registro das entradas e saídas financeiras de uma empresa. Essa criação de categorias serve de base para estruturar os relatórios contábeis da organização, como seu balanço patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE).

O plano de contas não é, portanto, um relatório, mas sim a padronização das categorias que serão usadas para elaborar esses documentos.

A definição das contas deve estar de acordo com os princípios da contabilidade e ser compatível com as regras estabelecidas pela lei nº 6.404/76, conhecida como "Lei das S/A”. No entanto, não existe um modelo único de plano de contas. Seu formato deve ser adaptado às necessidades particulares da empresa, que deve escolher um nível de detalhamento que a ajude a ter um melhor controle de suas finanças.

Não existe um limite máximo ou mínimo de contas para se incluir na relação. O que é importante ter em mente é que todas as ocorrências da vida financeira da empresa precisam se encaixar em alguma categoria.

O plano de contas também pode ser chamado de modelo de contas, estrutura de contas ou elenco de contas.

Como elaborar um plano de contas

Apesar de não haver uma receita única para estruturar um plano de contas contábil, é possível identificar alguns padrões. Como regra geral, o plano de contas é dividido em quatro grandes grupos: Ativo, Passivo, Receitas e Despesas. Os dois primeiros grupos correspondem às contas patrimoniais da empresa, e os dois últimos, às contas de resultado.

Cada um desses quatro grandes grupos possui subdivisões. Algumas delas, como é o caso das principais categorias de ativo e passivo, estão estabelecidas por lei. Outras são mais flexíveis, variando de acordo com as especificidades da empresa. Em geral, o detalhamento do plano de contas possui quatro níveis de divisões.

Para melhor compreender como funciona essa divisão, confira abaixo alguns exemplos de possíveis subcategorias. Esse esquema serve apenas para melhor visualizar como montar o plano de contas. Um modelo concreto depende das necessidades específicas da empresa.

Exemplos de contas divididos por grupo

1 - ATIVO

1.1 ATIVO CIRCULANTE

      1.1.1 Disponível

         1.1.1.1 Caixa

         1.1.1.2 Banco Conta Movimento

      1.1.2 Realizações

         1.1.2.1 Clientes

         1.1.2.2 Aplicações financeiras

      1.1.3 Estoques

         1.1.3.1 Mercadorias para revenda

         1.1.3.2 Produtos acabados

         1.1.3.3 Insumos

         1.1.3.4 Outros

1.2 ATIVO NÃO CIRCULANTE

      1.2.1 Realizável a longo prazo

         1.2.1.1 Títulos a receber

      1.2.2 Investimentos

         1.2.2.1 Participações societárias

         1.2.2.2 Imóveis para renda

      1.2.3 Imobilizado

         1.2.3.1 Imóveis

         1.2.3.2 Instalações

         1.2.3.3 Máquinas e equipamentos

         1.2.3.4 Veículos

         1.2.3.5 (-) Depreciação acumulada

      1.2.4 Intangível

         1.2.4.1 Marcas e patentes

         1.2.4.2 Softwares

         1.2.4.3 (-) Amortização acumulada

2 - PASSIVO

2.1. CIRCULANTE

      2.1.1 Impostos e contribuições a recolher

         2.1.1.1 Simples a recolher

         2.1.1.2 INSS

         2.1.1.3 FGTS

      2.1.2 Contas a pagar

         2.1.2.1 Fornecedores

         2.1.2.2 Outras contas

      2.1.3 Empréstimos bancários

         2.1.3.1 Banco A

         2.1.3.2 Banco B

      2.1.1 Obrigações

         2.1.1.1 Fornecedores

         2.1.1.2 Aluguéis a pagar

         2.1.1.3 Empréstimos a pagar

         2.1.1.4 ICMS a recolher

         2.1.1.5 INSS a recolher

         2.1.1.6 Salários a pagar

         2.1.1.7 Outras obrigações a pagar

2.2 NÃO CIRCULANTE

      2.2.1 Obrigações

         2.2.1.1 Empréstimos bancários

2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO

      2.3.1 Capital

      2.3.2. Reservas

         2.3.2.1 Reservas de capital

         2.3.2.2 Reservas de lucros

      2.3.3 Prejuízos acumulados

         2.3.3.1 Prejuízos acumulados de exercícios anteriores

         2.3.3.2 Prejuízos do exercício atual

3 - CUSTOS E DESPESAS

3.1 CUSTOS OPERACIONAIS

      3.1.1 Custo dos produtos vendidos

         3.1.1.1 Materiais

         3.1.1.2 Mão de obra

         3.1.1.3 Encargos sociais

      3.1.2 Custo dos serviços prestados

         3.1.2.1 Combustível

         3.1.2.2 Mão de obra

         3.1.2.3 Encargos sociais

3.2 DESPESAS OPERACIONAIS

      3.2.1 Despesas administrativas

         3.2.1.1 Aluguel

         3.2.1.2 Energia elétrica

         3.2.1.3 Água

         3.2.1.4 Correios

         3.2.1.5 Salários

         3.2.1.6 Décimo terceiro salário

         3.2.1.7 Encargos sociais

         3.2.1.8 Férias

      3.2.2 Despesas financeiras

         3.2.2.1 Descontos concedidos

         3.2.2.2 Juros passivos

         3.2.2.3 Despesas bancárias

      3.2.3 Despesas tributárias

         3.2.3.1 IPTU

         3.2.3.2 ICMS

         3.2.3.3 IRPJ

3.3 DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

      3.3.1 Perdas de capital

         3.3.1.1 Custo da alienação do ativo permanente

4 - RECEITAS

4.1 RECEITAS OPERACIONAIS

      4.1.1 Receitas financeiras

         4.1.1.1 Descontos obtidos

         4.1.1.2 Juros ativos

         4.1.1.3 Rendimentos de aplicações financeiras

4.2 RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

          4.2.1. Lucros venda imobilizado

4.3 RECEITA BRUTA

       4.3.1 Vendas de mercadorias

          4.3.1.1 Vendas à vista

          4.3.1.2 Vendas a prazo

O que é um plano de contas gerencial?

Ao contrário do plano de contas contábil, que é feito pelo contador para montar os relatórios contábeis com base nas normas vigentes, o plano de contas gerencial possui uma estrutura mais flexível. A função de um plano de contas gerencial é criar uma lógica de organização dos dados financeiros da empresa que permita ao gestor melhor analisá-los, de acordo com as suas necessidades.

As subcategorias de um plano de contas gerencial são definidas de acordo com a natureza de um negócio e existem para facilitar a tomada de decisões.

Assim, ao montar o seu plano, um gestor poderá optar, por exemplo, por dividir seus bens e direitos não entre ativo circulante e não circulante, mas sim por tipo de produto comercializado. Já nas despesas, ele poderá optar por separar suas despesas operacionais dos gastos com marketing, por exemplo.

Essa reorganização deve ser feita de forma que não ocorram disparidades entre o plano de contas contábil e o gerencial no que diz respeito ao apuramento do lucro ou do prejuízo da companhia.

O que é o Plano de Contas Referencial?

O Plano de Contas Referencial é uma padronização estabelecida pela Receita Federal do Brasil para as empresas que aderirem à Escrituração Contábil Fiscal (ECF) informarem seus saltos contábeis. Esse padrão é utilizado para a entrega dos programas do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

O sistema possui ferramentas para que as empresas que desejarem manter um plano de contas personalizado possam remanejar os dados para o padrão do SPED. No entanto, a adoção do Plano de Contas Referencial, a partir de 2009, foi alvo de algumas críticas por parte de especialistas de contabilidade, que consideraram que o modelo possuía divergências em relação às normas internacionais de contabilidade, induzindo a erros.

Você também pode ter interesse em balanço patrimonial, DRE, fluxo de caixaativo circulante e passivo circulante.