Como se sair bem em uma dinâmica de grupo?

A dinâmica de grupo é uma etapa comum no processo seletivo para vagas de emprego. O objetivo dessa técnica é permitir que a empresa descubra o candidato que melhor se encaixa no perfil procurado, o que não depende só da experiência e da formação. Comportamento em equipe e personalidade são características muito valorizadas hoje em dia nos processos de recrutamento.

Apesar de a escolha depender do perfil que a empresa considera mais adequado para a vaga, quem foi chamado para participar de uma dinâmica de grupo pode se preparar para ter um desempenho que mostre todo o seu potencial, aumentando suas chances de ficar com o trabalho. Confira cinco dicas para se dar bem.

Dica 1: Conheça todo o processo

Entender como funciona essa fase do recrutamento é o primeiro passo para ir preparado. Não ser pego de surpresa ajuda a conter a ansiedade, que é um dos fatores que mais atrapalham o candidato ao cargo.

Em geral, uma dinâmica de grupo reúne, no mínimo, seis candidatos. O número máximo é variável. Enquanto alguns especialistas consideram que 12 participantes é a quantidade máxima ideal, pois permite que todos sejam observados e tenham a oportunidade de se expressar, algumas empresas chegam a realizar dinâmicas com até 30 pessoas.

A dinâmica de grupo é conduzida por um facilitador, selecionador encarregado de orientar os candidatos, fornecer instruções e controlar o ritmo da dinâmica, permitindo a participação dos candidatos e assumindo sempre uma posição neutra.

O facilitador é auxiliado por um ou mais observadores. Esses observadores são responsáveis por tomar nota do desempenho dos participantes, permitindo que seus registros sobre o comportamento de cada um ajude quem decide pela contratação a identificar os candidatos mais adequados ao perfil procurado. Os observadores não costumam ser identificados na abertura da dinâmica, ficam na sala durante todo o processo e praticamente não interagem. Eles já possuem um roteiro prévio dos jogos que serão sugeridos e quais competências deverão observar em cada atividade.

A dinâmica de grupo costuma se dividir em seis etapas. Isso, porém, não é uma regra fixa, podendo o avaliador desenhar a atividade de acordo com suas necessidades.

Abertura

Na primeira etapa, são feitos os cumprimentos. O facilitador se apresenta, fala sobre seu papel e explica um pouco sobre a empresa e a vaga. Depois, ele descreverá como será a dinâmica e quanto tempo ela deverá durar.

Apresentação dos candidatos

A primeira intervenção dos candidatos costuma ser na apresentação. O facilitador poderá solicitar uma pequena descrição da vida de cada um, para que todo mundo se conheça. Essa apresentação pode ser simples ou pode ser usado algum jogo.

Aquecimento

A fase de aquecimento é o “quebra-gelo” e, em geral, envolve movimentos físicos ou brincadeiras. Seu objetivo é deixar os participantes menos tensos e mais à vontade, permitindo que comecem a se expressar de forma mais espontânea.

Atividade principal

Essa fase serve para medir as competências dos candidatos para identificar os que mais se adequam ao cargo. As técnicas variam de acordo com o que precisa ser avaliado. Podem ser adotados jogos, debates, desafios ou outros tipos de atividades.

Avaliação

Após a aplicação das atividades, algumas empresas propõem aos candidatos uma etapa de reflexão sobre o que foi feito. Os participantes podem ser questionados, por exemplo, sobre como se sentiram durante os exercícios, sobre qual sua avaliação sobre o desempenho do grupo, o que aprenderam e como aquele aprendizado ser aplicado no seu dia-a-dia. Essa etapa ajuda os selecionadores a compreender melhor as atitudes de cada um, confirmando ou mudando as observações feitas na etapa anterior. Por isso, é muito importante que o candidato se esforce para colaborar na avaliação.

Encerramento

Por fim, o facilitador deverá se despedir dos candidatos, informando sobre as próximas fases do processo e esclarecendo as dúvidas que surgirem.

Dica 2: Busque o máximo de informações sobre a empresa

Os recrutadores gostam de saber que o candidato tem consciência sobre o que lhe espera caso consiga o emprego. Se o nome da empresa que está selecionando tiver sido divulgado, busque o máximo de informações sobre ela.

Procure o site institucional da companhia e estude sua missão, visão e valores. Tente identificar quais desses pontos combinam com seu perfil pessoal.

Além de conhecer os princípios da organização, fique bem informado sobre os produtos e serviços que ela oferece. Confundir um produto da empresa com o de uma concorrente é imperdoável.

Leve em conta o perfil da empresa para escolher a roupa que irá vestir no dia da dinâmica: se for uma empresa jovem, moderna e informal, não adianta ir vestido de terno e gravata. Já jeans e camiseta nunca será o traje adequado para o processo seletivo de um banco ou outra organização muito formal.

Dica 3: Seja você mesmo

Para quem vai participar de uma dinâmica de grupo, é importante saber que não existe um perfil único ou um padrão de comportamento específico buscado pelas empresas que aplicam essa ferramenta na seleção. Não é verdade que os candidatos que se saem melhor nas dinâmicas são sempre aqueles que falam mais. Tudo depende das características que a empresa considera mais importantes para a vaga específica.

A capacidade de comunicação e a extroversão dos candidatos será importante para cargos que exigirem essas características, mas não necessariamente para todos. A seleção de um analista, por exemplo, pode estar mais interessada em sua capacidade de concentração. Empregos que exigem iniciativa podem estar associados a dinâmicas que avaliem o quanto os participantes conseguem se virar sozinhos.

O mais importante para se ter em mente durante a dinâmica de grupo é não tentar forçar um comportamento que não é autêntico. Nem sempre é possível saber com segurança o que a empresa está buscando e, muitas vezes, o perfil procurado é exatamente o oposto ao imaginado pelo candidato. Além disso, os observadores são treinados para identificar comportamentos simulados.

Dica 4: Respeite o grupo

Apesar de a autenticidade ser a principal dica para se dar bem, alguns cuidados devem ser tomados. Um candidato muito extrovertido precisa ficar atento para não falar demais, atropelando os outros ou atrapalhando o grupo. Ficar à vontade é bom, mas também convém não perder a linha com piadinhas ou comportamentos inadequados.

Ser bem educado e não exagerar na agressividade é importante porque a dinâmica é um exercício coletivo e a capacidade de trabalho em equipe é valorizada. Melhor do que se impor no grito, é saber defender seus argumentos de forma racional e estar aberto para ouvir a opinião dos demais participantes.

Dica 5: Lute contra o excesso de timidez

Ninguém precisa fingir ser algo que não é, mas não falar absolutamente nada durante todo o exercício é um erro grave. Por esse motivo, os mais tímidos devem se esforçar para se expressar pelo menos um pouco.

Quem não fala nada não pode ser avaliado e, provavelmente, não conseguirá se manter na disputa. Isso não significa que o candidato tímido precisa tentar falar pelos cotovelos: uma única observação pertinente, feita na hora exata, pode contar muitos pontos.

Você também pode ter interesse em missão, visão e valoresteamwork.