Private Label

Private Label é um tipo de terceirização da produção, em que uma empresa contrata outra para o desenvolvimento de um serviço ou produto com o seu nome.

Private label no Brasil pode ser conhecido como marca própria. É também relacionado ao mercado de crédito ao consumidor, sob a forma de cartões private label emitidos por financeiras sob o nome de uma marca varejista.

No setor têxtil, a prática de private label é comum. Ocorre quando uma cadeia do varejo, como as Lojas Renner ou Zara, contratam outras empresas para produzir suas roupas, acrescentando apenas a etiqueta (em inglês, label). Na prática, essas redes varejistas não atuam na produção direta dos seus produtos, mas cumprem as etapas de concepção da coleção e posteriormente no marketing e gestão da marca. A vantagem do private label têxtil é a possibilidade de lançar uma marca no mercado sem a necessidade de contar com um parque fabril.

Os cartões de crédito private label são uma solução financeira que surgiu no Brasil nos anos 2000 em substituição aos sistemas de crediário para o consumidor. As cadeias de lojas passam a oferecer aos seus clientes um cartão de crédito com o seu nome, mas emitido por uma instituição financeira. Esses cartões private label são usados para oferecer crédito nas rede varejista, e voltados a um público de renda mais baixa.

Recentemente os cartões private label vem sendo substituídos pelo sistema co-branded, em que a instituição financeira emite um cartão de crédito comum, como Visa ou Mastercard, e é aceito em qualquer estabelecimento comercial que opere estas bandeiras. Um exemplo são os cartões Bradesco Smiles, em parceria com a Gol Linhas Aéreas, e o Itaú Pão de Açúcar.

O conceito de marca própria foi introduzido no Brasil pelas cadeias de supermercados, como o Carrefour e a rede Wal Mart. Esses grandes varejistas começaram a oferecer produtos com a sua marca, e a preços competitivos, como estratégia de branding e para aumentar o mix de produtos nas gôndolas. Esta atitude incentivou o mercado de private label no Brasil, e cada vez mais o varejo busca por estes modelos de negócio terceirizado.